Saúde

Arquivo para julho, 2011

A Alma Imoral


Existem certezas anteriores à razão”.

Fui assistir a uma peça, “Alma Imoral”, por indicação de duas pacientes: confesso que desconfiada, por saber que a peça era um monólogo de uma mulher nua.

Para minha surpresa, a nudez foi um recurso facilitador para eu entrar em contato com o teor da peça.

Não há nudez na natureza. Deus só reconhece a nudez do homem, na vergonha que o homem sente da própria nudez”.

Talvez, por isso, me comoveu tanto, ao lidar com tamanha transparência e honestidade, sem vestimentas e sem máscaras, era como se todos os expectadores daquela sala se igualassem. Deixei de enfocar o corpo e a moral, para visualizar a alma. Eu vi a sua alma!

E para a Alma, o Rabino Nilton Bonder, atribui uma característica genuína, a Imoralidade. A alma imoral tem como natureza a transgressão, a desobediência, a traição.

Penso: a alma, diferentemente do corpo, não possui forma, padrão e limite. Atualmente, nem sabemos onde localizá-la em nosso corpo. Como ela seria moldada e conduzida por uma moral?

Lei é o privilégio concedido a uma determinada compreensão”.  E por isso, “a desobediência da lei é muitas vezes a opção mais próxima da lei que a própria lei”.

De certa forma, a peça direciona um questionamento das leis estabelecidas e da tradição, e a nossa postura de seguir estas leis e tradições sem uma reflexão, sem a consciência de que realmente queremos isso ou aquilo, apenas como comportamento automático.

 “Não há tradição sem traição”.

Se assim não fosse, como Niskier conclui perfeitamente, a lei não seria uma lei, e sim uma arbitrariedade.

Com alguns exemplos do Antigo Testamento, Niskier demonstra como a traição e a desobediência da lei faz com que a tradição evolua. E que o texto bíblico não julga e nem condena.

Por um lado, penso nas traições que eu e meus pacientes cometemos: até mesmo a fidelidade a alguém ou a algo pode caracterizar-se como traição da nossa alma, das nossas reais vontades e dos desejos mais pessoais.

Por outro lado, penso no julgamento que realizamos aos outros. Julgar nada mais é que atribuir a sua verdade a verdade do outro, sem saber do contexto, da intenção e dos recursos que o outro tinha para ter tido tal atitude. E se pensarmos que cada indivíduo é único e possui a sua verdade (seus valores, sua história de vida, sua educação), sempre que julgamos estamos errados.

Há um olhar que desnuda, que não hesita em afirmar que existem fidelidades perversas e traições de grande lealdade”.

O apego é uma forma de trair a alma. Entendendo o apego como uma crença ilusória de que você só será feliz, realizado, completo se estiver com determinada pessoa, coisa ou situação; naturalmente traz a pessoa a uma posição de dependência. Por outro lado, a alma que por ser transgressora, tem em si a idéia de liberdade.

Nenhum lugar pode ser amplo pra sempre,” bem como o ventre materno. “Saber entregar-se às contrações de um lugar estreito para um lugar amplo é um processo assustador e avassalador”.

Aquele que não faz uso de todo seu potencial na vida, de alguma maneira diminui o potencial de todos os humanos”.

Este é o caminho para o crescimento!

Esta peça é riquíssima! Conheço algumas pessoas que já assistiram mais de cinco vezes e afirmam que a cada vez a peça “tocou” de um jeito diferente.

Neste texto mesmo, não abordei outros temas que também me marcaram, mas acredito que é válido até para que você tenha maior curiosidade para assistir e comentar aqui no blog sua percepção.

Marcela Jacob

Monólogo: Clarice Niskier

Baseado no Livro: A Alma Imoral de Nilton Bonder

Recomendo: http://www.almaimoral.com/

Anúncios

Curso de Pilates Postura Funcional


Este domingo terminamos mais uma turma de formação de Intrutores de Pilates.

Parabéns aos alunos da turma 8!!!!!

Palestra e Curso Educação Financeira Pessoal



Para aqueles que querem uma prévia sobre o curso teremos uma palestra no dia 16/07, sábado, das 9h30 as 11h30 ou das 14h00 as 16h00, 
no valor de R$ 20,00 + um item de higiêne pessoal (doação).

Quem tiver interesse entre em contato. Já estou fechando a turma!!
Aguardo vocês!!!!

Visita ao PIVI – Projeto de Incentivo a Vida


Recentemente, no grupo de meditação que frequento, recebi uma tarefa de visitar um uma instituição de ajuda a crianças. Fui então conhecer o Instituto PIVI, Projeto de Incentivo à Vida, com mais 3 amigos. O PIVI é uma entidade de natureza filantrópica que atua na área de assistência social a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade pessoal e social, oferecendo um lar e uma chance de futuro a jovens vindos de diversas situações de risco. O PIVI foi fundado em agosto de 1993, por uma senhora chamada Rosa, cuja história se assemelha a das crianças que são acolhidas por ela. No Youtube há um vídeo explicando com mais detalhes, no link  http://www.youtube.com/watch?v=Vso-bWESmqI .

Nós chegamos ao PIVI um pouco antes do horário de almoço, e fomos muito  bem recebidos pelos jovens e funcionários. Logo, uma funcionária veio nos apresentar todo o projeto, instalações e atividades, e nos explicou sobre as parcerias com outros projetos sociais.

No início de nossa conversa, a funcionária se sentiu muito a vontade conosco, e nos contou todas as dificuldades pelas quais o Instituto PIVI passa. Dificuldades em sua maioria de ordem financeira, fato comum entra as instituições de ajuda social. Mas aí comecei a perceber um sentimento que permeia todos que trabalham nessa instituição. Percebi que, além do cuidado com o bem-estar imediato, existia também uma preocupação muito grande com a preparação desses jovens para ingressar na sociedade. Havia nessa funcionária mais do que uma simples preocupação profissional, e sim, enxergava um sentimento de mãe, preocupada com o bem estar de seus filhos. Talvez esse sentimento tenha iniciado com a Rosa, que sempre cuidou das crianças como seus filhos e se espalhou por todos, ao longo dos anos.

Fomos então acompanhar o almoço, sentamos à mesa com as crianças. Eu sentei do lado de dois jovens simpáticos e falantes, e conversando com eles percebi a sua educação, suas boas maneiras, sua simpatia, além de um claro e visível respeito fraterno entre eles. Os funcionários os tratam como filhos, logo eles se viam como irmãos. Reparei, por exemplo, alguns jovens ajudando outros, que tinham algum tipo de dificuldade motora, a se alimentar, por própria iniciativa.  Isso mostra como esse tratamento com amor por parte dos funcionários se espalhou entre as crianças. Conversando com várias delas, não consegui perceber aquela carência afetiva comum entre crianças que vivem em lares e abrigos.  A alegria é sentida em todas as partes.

Posso confirmar que esses funcionários trabalham literalmente por amor, pois ouvi de alguns deles que o salário, em diversas ocasiões, atrasou meses. Esse problema é tão real que o PIVI lançou o programa “Adote um Funcionário” para captar recursos para a folha de pagamento.

Essa dificuldade financeira é mais um argumento que confirma diversas vezes o que já escrevi neste relato. Não é por dinheiro que aquelas pessoas trabalham. É por algo maior. E no olhar de cada criança, de cada adolescente, eu consegui perceber o reflexo desse trabalho, esse “algo maior”. Fui ao abrigo oferecer carinho e ajuda, mas ao ir embora, o que ficou em mim, foi o amor que recebi deles. Eu saí de lá com a certeza que existe a bondade, e que ela é capaz de superar todas as dificuldades, e proporcionar riquezas que não podem ser medidas em reais ou dólares, riquezas que cada criança levará consigo por toda a sua vida, e que com certeza contribuirá para que estas crianças se tornem adultos que ajudarão a construir um mundo cada vez mais fraterno e acolhedor.

Para quem tiver o interesse de visitá-los ou ajudá-los segue o site, http://www.pivi.com.br

Maria Fernanda Jacob.

Enquete: Saúde dos Homens (Respostas dos Homens)


Enquete: Saúde dos Homens (Respostas das Mulheres)


Divulgação de Julho no Guia da Vila