Saúde

Arquivo para fevereiro, 2012

Nova Turma Formada em Pilates Postura Funcional


No último final de semana encerramos mais uma turma do Curso de Pilates Postura Funcional, com ótimo aproveitamento.

Ficamos felizes pelo interesse em aprender desta turma.

– Pâmela Mango

– Ana Camila Peternucci

– Lina Gabriela Cadamuro

– Paula Helene

 

PARABÉNS às alunas!!!!!

Anúncios

Projeto de Lei Ato Médico – do que se trata?


O que é? – O projeto de lei estabelece quais atos ou procedimentos serão privativos de médicos, quais serão compartilhados com outros profissionais de saúde e quais serão exclusivos desses outros profissionais. O texto proposto tem suscitado debates sobre as competências de cada categoria profissional.

Pontos Principais – O diagnóstico nosológico (relativo a doenças) e indicação de tratamento passam a ser privativos do médico. O projeto prevê que os médicos sejam capazes de dar “diagnósticos psicológico, nutricional e socioambiental e as avaliações comportamental e das capacidades mental, sensorial e perceptocognitiva e psicomotora“, invadindo as atribuições profissionais de outros profissionais, porém permitindo que eles também exerçam a profissão.

Todos procedimentos invasivos (como por exemplo, a acupuntura) que não se deem através de orifícios naturais deverão ser prescritos por um médico.
O paciente deverá ter o encaminhamento de um médico com indicativo do tipo de tratamento antes de se submeter a qualquer tratamento de saúde, tais como psicoterapia, fisioterapia, e outros.O ensino de disciplinas essencialmente médicas nos Cursos de Medicina passa a ser privativo dos Médicos.

Entre outros pontos.

Reflexão – E a interdisciplinaridade (trabalho em equipe e não trabalho isolado)?

Haverá a quantidade de médicos suficiente para atender a todos que precisam de direcionamento?

Qual a qualidade atual de serviço prestada pelos médicos? Caso esta lei seja aprovada, como será?

Será que o médico tem em sua formação acadêmica o conhecimento necessário de quantas sessões de psicoterapia, de fisioterapia e qual o melhor tratamento a ser direcionado para cada paciente e queixa?

Sabemos de muitas queixas de pacientes em relação a médicos: “o médico nem olhou para o meu rosto para me medicar“, “o médico nem palpou“, “o médico escreveu de forma ilegível na receita“, “fiquei 7 minutos na sala dele e me receitou sem me ouvir”, “o médico não tem tempo pra me ouvir“…

Lembrando que o objetivo deste texto não é generalizar e criticar a classe de médicos, mas sim refletirmos a respeito da prática caso este profeto de lei seja aprovado.

Atualmente, no site do CRP está sendo divulgado um Abaixo Assinado que será encaminhado à Presidente Dilma.

Página: http://peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N20540

Marcela Jacob

Citação

Indicação de Filme – A Dama de Ferro


Cuidado com os seus pensamentos porque eles podem se transformar em palavras.

Cuidado com as suas palavras porque elas podem se transformar em ações.

Cuidado com as suas ações porque elas podem se transformar em hábitos.

Cuidado com os seus hábitos porque eles podem se transformar em caráter.

Cuidado com o seu caráter porque ele pode se transformar em seu destino.”

Bob Pierce

 

http://www.youtube.com/watch?v=7ygvwKtbtaM&feature=related

Suicídio – Como Profissionais da Saúde podem prevenir?


Atendendo a pedidos de alguns alunos, seguem algumas informações de como lidar com o suicídio.

Alguns dados informativos:

O comportamento suicida vem ganhando impulso em termos numéricos e, principalmente, de impacto, como podemos ver pelos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS):
• O número de mortes por suicídio, em termos globais, para o ano de 2003 girou em torno de 900 mil pessoas.
• Na faixa etária entre 15 e 35 anos, o suicídio está entre as três maiores causas de morte.
• Nos últimos 45 anos, a mortalidade global por suicídio vem migrando em participação percentual do grupo dos mais idosos para o de indivíduos mais jovens (15 a 45 anos).
• Em indivíduos entre 15 e 44 anos, o suicídio é a sexta causa de incapacitação.
• Para cada suicídio há, em média, 5 ou 6 pessoas próximas ao falecido que sofrem conseqüências emocionais, sociais e econômicas.
• 1,4% do ônus global ocasionado por doenças no ano 2002 foi devido a tentativas de suicídio, e estima-se que chegará a 2,4% em 2020.

Fatores de Risco:

• transtornos mentais

• sociodemográficos

• psicológicos

• condições clínicas incapacitantes

Características particulares que indicam risco de suicídio:
1. Ambivalência: é atitude interna característica das pessoas que pensam em ou que tentam o suicídio. Quase sempre querem ao mesmo tempo alcançar a morte, mas também viver. O predomínio do desejo de vida sobre o desejo de morte é o fator que possibilita a prevenção do suicídio. Muitas pessoas em risco de suicídio estão com problemas em suas vidas e ficam nesta luta interna entre os desejos de viver e de acabar com a dor psíquica. Se for dado apoio emocional e o desejo de viver aumentar, o risco de suicídio diminuirá.

2. Impulsividade: o suicídio pode ser também um ato impulsivo. Como qualquer outro impulso, o impulso de cometer suicídio pode ser transitório e durar alguns minutos ou horas. Normalmente, é desencadeado por eventos negativos do dia-a-dia. Acalmando tal crise e ganhando tempo, o profissional da saúde pode ajudar a diminuir o risco suicida.
3. Rigidez/constrição: o estado cognitivo de quem apresenta comportamento suicida é, geralmente, de constrição. A consciência da pessoa passa a funcionar de forma dicotômica: tudo ou nada. Os pensamentos, os sentimentos e as ações estão constritos, quer dizer, constantemente pensam sobre suicídio como única solução e não são capazes de perceber outras maneiras de sair do problema. Pensam de forma rígida e drástica: “O único caminho é a morte”; “Não há mais nada o que fazer”; “A única coisa que poderia fazer era me matar”. Análoga a esta condição é a “visão em túnel”, que representa o estreitamento das opções disponíveis de muitos indivíduos em vias de se matar.

Frases de alerta
• “Eu preferia estar morto”.
• “Eu não posso fazer nada”.
• “Eu não agüento mais”.
• “Eu sou um perdedor e um peso pros outros”.
• “Os outros vão ser mais felizes sem mim”.

Sentimentos 4D
• DEPRESSÃO
• DESESPERANÇA
• DESAMPARO
• DESESPERO

Idéias sobre suicídio que levam ao erro:
• “Se eu perguntar sobre suicídio, poderei induzir o paciente a isso.” – Questionar sobre idéias de suicídio, fazendo-o de modo sensato e franco, aumenta o vínculo com o paciente. Este se sente acolhido por um profissional cuidadoso, que se interessa pela extensão de seu sofrimento.
• “Ele está ameaçando suicídio apenas para manipular.” – A ameaça de suicídio sempre deve ser levada a sério. Chegar a esse tipo de recurso indica que a pessoa está sofrendo e necessita de ajuda.

• “Quem quer se matar, se mata mesmo.” – Essa idéia pode conduzir ao imobilismo terapêutico, ou ao descuido no manejo das pessoas sob risco. Não se trata de evitar todos os suicídios, mas sim os que podem ser evitados.

• “Quem quer se matar não avisa.” – Pelo menos dois terços das pessoas que tentam ou que se matam haviam comunicado de alguma maneira sua intenção para amigos, familiares ou conhecidos.

• “O suicídio é um ato de covardia (ou de coragem)”. – O que dirige a ação auto-inflingida é uma dor psíquica insuportável e não uma atitude de covardia ou coragem.

• “No lugar dele, eu também me mataria.” – Há sempre o risco de o profissional identificar-se profundamente com aspectos de desamparo, depressão e desesperança de seus pacientes, sentindo-se impotente para a tarefa assistencial. Há também o perigo de se valer de um julgamento pessoal subjetivo para decidir as ações que fará ou deixará de fazer.

Como ajudar?

1. O primeiro passo é achar um lugar adequado, onde uma conversa tranqüila possa ser mantida com privacidade razoável.
2. O próximo passo é reservar o tempo necessário. Pessoas com ideação suicida usualmente necessitam de mais tempo para deixar de se achar um fardo. É preciso também estar disponível emocionalmente para lhes dar atenção.

3. A tarefa mais importante é ouvi-las efetivamente. Conseguir esse contato e ouvir é por si só o maior passo para reduzir o nível de desespero suicida.

Lembrando que não devemos reduzir a pessoa a uma história vivida no passado, pois isso faz com que ela perca o seu futuro, que é formado por inúmeras possibilidades!

Como se comunicar:
• Ouvir atentamente, com calma.
• Entender os sentimentos da pessoa (empatia).
• Dar mensagens não verbais de aceitação e respeito.
• Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa.
• Conversar honestamente e com autenticidade.
• Mostrar sua preocupação, seu cuidado e sua afeição.
• Focalizar nos sentimentos da pessoa.
Como não se comunicar:
• Interromper muito freqüentemente.
• Ficar chocado ou muito emocionado.
• Dizer que você está ocupado.
• Fazer o problema parecer trivial.
• Tratar o paciente de uma maneira que possa colocá-lo
numa posição de inferioridade.
• Dizer simplesmente que tudo vai ficar bem.
• Fazer perguntas indiscretas.
• Emitir julgamentos (certo x errado), tentar doutrina.

Para maiores informações: leia o “Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental – Prevenção do Suicídio”

FONTE: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_editoracao.pdf

Marcela Jacob

Campanha da Fraternidade 2012 – Reflexões sobre Saúde Pública


“Saúde é um processo harmonioso de bem-estar físico, psíquico, social e espiritual, e não apenas a ausência de doença, processo que capacita o ser humano a cumprir a missão que Deus lhe destinou, de acordo com a etapa e a condição de vida em que se encontre”.

(cf. p.15 do Texto-Base e Guia para a Pastoral da Saúde na América Latina e no Caribe, CELAM, Centro Universitário São Camilo, São Paulo, 2010, ns 6-7).
 

O objetivo geral da atual Campanha é: “refletir sobre a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável, suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção dos enfermos e mobilizar por melhoria no sistema público de saúde” (p. 12 do Texto-Base).

Além disso, há seis objetivos específicos. Estes são: “a) Disseminar o conceito de bem viver e sensibilizar para a prática de hábitos de vida saudável;

b) Sensibilizar as pessoas para o serviço aos enfermos, o suprimento de suas necessidades e a integração na comunidade;

c) Alertar para a importância da organização da pastoral da Saúde nas comunidades: criar onde não existe, fortalecer onde está incipiente e dinamizá-la onde ela já existe;

d) Difundir dados sobre a realidade da saúde no Brasil e seus desafios, como sua estreita relação com os aspectos sócio-culturais de nossa sociedade;

e) despertar nas comunidades a discussão sobre a realidade da saúde pública, visando à defesa do SUS e a reivindicação do seu justo financiamento; e

f) Qualificar a comunidade para acompanhar as ações da gestão pública e exigir a aplicação dos recursos públicos com transparência, especialmente na saúde” (cf. p. 12 do Texto-Base da CF).

Fica a reflexão: ao longo dos últimos anos, houve mudança no conceito de saúde: de ‘caridade’ para ‘direito’. Como esse direito está sendo “transformado em negócio”? O que nós temos feito em relação a isso?

Oração da Campanha da Fraternidade 2012

Senhor Deus de amor, Pai de bondade, nós vos louvamos e agradecemos pelo dom da vida,pelo amor com que cuidais de toda a criação.

Vosso Filho Jesus Cristo, em sua misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofredores, sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude.

Enviai-nos, Senhor, o Vosso Espírito.

Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão se faça sempre mais, solidária às dores e enfermidades do povo, e que a saúde se difunda sobre a terra.

Amém.

Fonte: http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/default.asp

Doação de Medula – 10 de Março na Santa Casa


No dia 10 de Março haverá um Mutirão para Doação de Medula: sábado, às 11h00 na Santa Casa.

Neste dia, você apenas doará uma pequena quantidade de sangue – 50 ml.  Eles guardam esse material e sempre que alguém precisa de transplante, eles realizam o exame de compatibilidade. Se você for compatível com alguém, daí sim ocorre o transplante.

Condições do Doador: O candidato deve ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bomestado de saúde.

Maiores informações: https://www.facebook.com/events/345753368778461/

Nos encontramos lá!!!

Marcela Jacob

Intercâmbio Acadêmico para China – Julho 2012


A ATTA – Associação de Terapias Tradicionais: Acupuntura – tem uma parceria com o Centro de Intercâmbio Acadêmico Sino – Brasileiro; e oferecem um Intercâmbio para China!

Nesta viagem, haverá aulas de Medicina Tradicional Chinesa, a oportunidade de conhecer e sentir a energia de uma das “7 Maravilhas do Mundo”, a Muralha, bem como a Cidade Proibida, o Monte Tai, o Templo do Céu, entre outros…

Simplesmente imperdível!!!

Visitem o site e programem-se para Julho de 2012!!!

http://www.sino-brazilian-exchange.org.cn/mm/mm201207mtc05.htm
 

A Viagem de outubro 2011 contou com a presença da CRI-China Radio International que contribuiu com uma matéria sobre a MTC, incluindo uma entrevista com o IASB-Intercâmbio Acadêmico Sino-Brasileiro, organizador da viagem. Acesse o vídeo na http://src.cri.cn/rio/carlos/zhongyi.wmv.

Marcela Jacob