Saúde

Arquivo para julho, 2015

Você conhece a Ortorexia Nervosa?!


É uma doença ainda não reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), nem figura nos manuais de psiquiatria. O termo ortorexia foi usado pela primeira vez por um médico americano em 1998, para definir um grupo de pessoas que apresentavam uma obsessão por comer corretamente.

bbbbDiferente de outros transtornos alimentares, como a bulimia ou anorexia nervosa, na ortorexia nervosa a pessoa está mais preocupada com a qualidade dos alimentos: dedica horas ao longo do dia para examinar o que vai comer, lê minuciosamente os rótulos daquilo que compra, só come o que cozinha, pois não confia em restaurantes. Acha que apenas os vegetais e cereais fazem bem ao organismo e evita carnes e enlatados. Existe normalmente uma obsessão pela escolha do alimento, pela maneira como foi preparado e armazenado.

A obsessão em manter uma dieta saudável pode, no entanto, ter o efeito contrário e levar a uma alimentação desequilibrada, com deficiências ou excessos de vitaminas, minerais e outros nutrientes, que podem aumentar o risco de diversas doenças como desnutrição, anemia, depressão, ansiedade, hipocondria, dores musculares e apatia crônica, dentre outras. Além disso, as pessoas com esse distúrbio têm problemas com a vida social, se tornam reticentes a comer fora de casa, podem se distanciar de seus familiares e amigos e adquirir uma personalidade irritadiça.

Especialistas concordam que a solução do problema passa por um tratamento psicológico e nutricional para reequilibrar a alimentação, desestimular práticas excessivas desses comportamentos alimentares e prevenir as recaídas nessa conduta.

Paula Pereira da Silva

Nutricionista, Acupunturista

Clínica Vitalidade Integrada

Anúncios

Parto normal ou cesárea?!


Como profissional não médico que trabalha com gestantes, muitas das mulheres procuram o nosso serviço se questionando sobre a via de parto ao final da gestação. O que responder à elas?

Que o parto mais fisiológico e que apresenta menor propensão à riscos é o normal; que ele não solicita uma série de procedimentos invasivos e que a recuperação no pós parto é mais rápida, isso tudo mundo já sabe! E por que, mesmo assim, vemos uma taxa elevadíssima de partos cesárea no nosso país? Apesar de também sabermos que, o parto cesárea é um procedimento que tem suas indicações específicas e é responsável por salvar muitas vidas diariamente.

pragramasGestanteQuando minhas pacientes me questionam sobre uma “fórmula” ou como proceder para que a gestação caminhe para o parto normal geralmente conversamos que realmente não há “receita de bolo” para resolver tal questão. Sempre surgem dúvidas sobre a segurança da mãe e do bebê, medo da dor e insegurança com relação aos procedimentos envolvidos. Acredito que todos esses sentimentos sejam normais e certos de existirem neste momento. Por mais que haja uma boa conversa com o obstetra, a prática geralmente se torna diferente da teoria.

Por isso, vejo o parto como um processo que está sendo construído a cada dia da gestação. À medida que a gestante se informa, visita diferentes serviços, participa de palestras, se exercita e conhece a equipe que dará assistência à ela neste momento, ela deixa esse momento mais firme e sólido; ela se torna conhecedora do que enfrentará e deixa de fazer a construção do parto sobre informações que aquele conhecido veio a falar ou baseado nas experiências que são mostradas na mídia.

Afinal, a gestante/parturiente é a principal atriz deste momento tão único da vida! Ela é livre para escolher de que forma passará por este momento!

Aqui na Vitalidade Integrada, estamos cada dia mais contentes de poder contribuir para a construção destes processos e das famílias! Seja com consultas de fisioterapia, nutrição ou acupuntura. Queremos que essas mulheres sejam respeitadas e que possam ter um espaço para construir o pré-natal dentro de todos os sentimentos, da felicidade nunca antes vivida até o medo da dor e do desconhecido. Afinal, nada melhor que ouvir o chorinho de neném para ver que tudo valeu a pena!

Lina Cadamuro

Fisioterapeuta da Clínica Vitalidade Integrada

Já sentiu dores no músculo trapézio?


Essa é uma das queixas mais comuns entre as pessoas que ficam horas na frente do computador, pessoas sedentárias ou que trabalham com movimentos repetitivos dos membros superiores.

trapc3a9zio1A má postura é uma das principais causas desse sintoma. Conseguimos identificar através da palpação, uma rigidez muscular ocasionada pela contratura das fibras musculares que estão sobrecarregadas de tensão do dia a dia. Podemos encontrar também alguns pontos sensíveis de tensão que quando palpados, a dor pode ser sentida em áreas distantes como na cervical e nos ombros.

O trapézio é um músculo que se insere desde o occipital até o meio das costas nos processos espinhosos das vértebras cervicais e torácicas e seguem para a espinha das escápulas, clavícula e acrômio. Ele é dividido em 3 regiões: superior, média e inferior, dessa forma tem a ação de retrair, elevar e deprimir as escápulas, consequentemente deprimindo os ombros. O mau posicionamento das escápulas ou uma inibição da ativação dos músculos que as estabilizam, podem levar a hiperativação do trapézio superior e sobrecarregar outras estruturas articulares.

4271217

Para evitarmos esse tipo de dores ou até uma lesão, devemos manter uma boa postura durante nossas atividades de vida diária. Manter-se bem alinhado, desde o apoio dos pés, quadril e a coluna numa posição neutra, conseguimos posicionar melhor as escapulas e a cervical. Segue abaixo algumas dicas para o nosso dia a dia, qualquer dúvida procure um fisioterapeuta.

159corrija_postura_clip_image001_0001 159corrija_postura_clip_image001_0002 159corrija_postura_clip_image007

Dra. Carla Pedroso Correia

Fisioterapeuta – Crefito 3/188741-F

Clínica Vitalidade Integrada